domingo, 17 de janeiro de 2010

Carta a quem possa interessar ou Caco e Lari: as aventuras do sapinho poeta




crédito imagem: http://namb-ualg.blogspot.com/2008_12_01_archive.html

(capítulo final)
Hoje, falo com você, sapo travestido de gentleman. Você que abusa da boa vontade dos outros, você que se faz de vítima mas é a pessoa mais sórdida e dissimulada de que já tive notícias. Você que definitivamente não tem maturidade e inteligência para reconhecer um amigo. E você sabe que não falo isso por dor de cotovelo. Você sabe que nossa historinha já estava nas linhas finais, mais morna que água de banho de bebê... Ambos sabíamos disso. Mas quisemos por força maior escrever mais umas linhazinhas. O duro é que para isso não precisava envolver tanta gente, quebrar minha cama, inflacionar minhas contas de água e de energia elétrica e ainda abusar da boa vontade de minha família... E não adianta falar das tais contribuições (um peru, uma bolsa e alguns trocados gastos em supermercado) porque amizade como a que encontrou por aqui, como diz a publicidade de cartão de crédito, não tem mesmo preço!
Bancar de bom moço, tudo bem. É seu gênero pouco criativo – e até covarde. Mas, peralá... Roubar o ar do meu quarto, usar até minha Internet para retomar contatos com pessoas de quem você dizia não querer ouvir nem o nome? Fazer ceninhas de ciúmes quando já estava ciscando em outro terreiro?! Deixar-nos de vigias em seu apê quando já estava fazendo falsas promessas a moças românticas? Faz-me rir, rapaz. Vamos combinar que faltou-lhe hombridade, afinal por diversas vezes avisei que para ser meu amigo era preciso ser transparente. Não cobrei nem fidelidade, mas sinceridade tão-somente. Já tinha dito também que meus parâmetros de homem e de amigo são bem altos... Quase impossível de alcançar.
E desculpe-me pela sinceridade, mas és mesmo um sapo. Afinal, um gentleman não peida em público – nem na cama da amante -, não arrota a todo momento, não sua feito animal ou ronca feito uma britadeira. Faça-me um favor: tente ser feliz bem longe de mim e pare de me ligar para pedir favores e conselhos. Chega, baby! Virei a página, a tempo! Boa sorte!

9 comentários:

Marcele Luize disse...

Carambolas...

Anônimo disse...

Olá Nane,
Desculpe. Não pude deixar de rir muito com o seu texto. Onde você achou esta figura de sapo? Onde você achou esta coragem de dizer tudo que disse?
Você me falou sobre as nuances da escrita em conseguir mesclar um pouco de ficção com a realidade e quem lê nem sempre consegue definir o que é o quê.
Te admiro e te respeito desde sempre. Mas hoje você se superou. A menina delicada, com aparência de frágil e que pode se quebrar se mostrou mais do que nunca corajosa, destemida e se mostrou forte para se deixar viver - como diz os livros de auto ajuda e a canção que gosto: "...se chorei ou se sorri o importante é que emoções eu vivi..."
Já que estou falando de livros vou transcrever um trecho de um livro que li esta semana e nesta fase que estou está sendo de grande valia:

- O profeta pergunta para o anjo: O que é passageiro?
- Responde o anjo: É o inevitável.
- Pergunta o profeta: O que é definitivo?
- Responde o anjo: As lições que conseguimos tirar do inevitável

Que neste ano, que diz meu signo será de conquistas e não de revelações como foi o ano que passou (ainda bem que ja passou), tenhamos camas mais resistentes, menos apagões devido ao consumo de energia elétrica, que diminua o perigo da falta d'agua, menos britadeiras, menos animais suados, menos peidos e arrotos (que em algumas culturas tem significados relevantes), desculpe, não pude deixar de fazer a piadinha...

Te gosto muito.
Bjs
Sandra Mara

Anônimo disse...

Nooossa Nane... achei muiiiito legal esse texto... divertidíssimo... tô rolando de rir! beijos, Daya

verinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nane de Sousa disse...

De fato, Verinha, não duvido do tamanho de nossa alma! Nem de nossa capacidade de engolir sapos e de sairmos fortalecidas disso!
Muitíssimo obrigada pela visita e chega de sapo, hein!!! hehehe!
Continue passando por aqui!

Anônimo disse...

Bom nane, Sapos um orror....Temos que tomar muito cuidado com os sapos,as vezes pensamos que os principes irão continuar sempre principe mais quando menos esperamos eles virão sapos....muito cuidado sempre...bjus Daya

Anônimo disse...

Poxa, excluí meu comentário sem querer...
não lembro as palavras exatas, mas você sabe quais eram...
Resumindo: tudo vale a pena se a alma não e pequena! No fim, é isso o que resta, mesmo, né??? abs, Vera

Anônimo disse...

Muito boa a história, cheia de emoção e, pelo visto, sofrimento. Infelizmente sapos existem, não? Paciência... temos de ter amor próprio e não mais permitir que façam parte de nossas vidas, roubem nossa internet e quebrem nossa cama, quando na verdade o amor pertence a outra que, muitas vezes, não o ama. Complicado entender a mente dos sapos... Querem nos usar quando, na verdade, querem passar um tempo para outra esquecer. Enquanto mulher, estou como vc... "Chega, baby! Virei a página, a tempo! Boa sorte!"

Nane de Sousa disse...

Poxa! Pena que alguns comentários são anônimos, como este de hoje... Mas, pelo visto, há muito mais sapo solto por aí do que imaginamos. Agradeço pelas visitas e posso garantir que mais do que sofrimento (que é natural na vida) histórias assim trazem mais emoção para o dia a dia da gente, além, é claro, de renderem textinhos como este. Mas, de verdade, espero não achar mais nenhum anfíbio por aí...